(...)

(...)

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Mil e um perdões

Lá fora a vida era urgente e barulhenta. Lá dentro, era reencontro e remissão:
________________________________________

Perdôo o teu silêncio, se perdoares os meus gritos. Perdôo todas as tuas paixões se fores capaz de perdoar as minhas. E se fores mesmo capaz, perdoe os erros que eu repeti por pura falta de criatividade. Que meu repertório era curto, pueril... eu mal reconhecia o amor.

E assim, perdôo todos os teus enganos. Todas as vezes que flagrei outros amores nos teus olhos. Se perdoares também, tudo o que esqueci de nós dois, juro que perdôo essa tua memória viril, quase cruel. Te perdôo, meu amor, por estampar no peito as lembranças que fui largando por aí, distraída.

Por ter partido o meu coração, te perdôo. Por ter partido, quando eu já era sua (e ainda nem sonhava ser minha). Se esqueceres das mentiras que contei em voz alta na cozinha. Se perdoares o eco dos meus cinco dedos estalados no teu rosto. Naquele tapa, ouviam-se palmas à minha rendição. Amor espalmado, se despedindo. Se contorcendo de ciúme e de culpa.

Te perdôo por ter suportado meus absurdos, se me perdoares por não ter atendido tuas ligações. Por todas as canções que cantamos, que dançamos, que choramos... principalmente ser for impossível, devolve-me o perdão?

Que eu te perdôo por ter voltado. E te imploro perdão, por ainda caber nos teus braços. Por ainda merecer teus beijos, tuas dúvidas e teus sorrisos.

Perdoa a minha castidade, meus vícios e meu medos, que em remissão perdôo a tua demora, as tuas verdades. As nossas verdades que, antes não podiam se perdoar.

Meu amor, enfim te perdôo por tudo. Se me perdoares por tanto...

___________________________________________
PS: É que juntos, nunca tivemos futuro. Agora temos passado, presente e mais de mil perdões.

Canta pra mim? Eu ajudo...

Mil Perdões
Chico Buarque

Te perdôo
Por fazeres mil perguntas
Que em vidas que andam juntas
Ninguém faz
Te perdôo
Por pedires perdão
Por me amares demais

Te perdôo
Te perdôo por ligares
Pra todos os lugares
De onde eu vim
Te perdôo
Por ergueres a mão
Por bateres em mim

Te perdôo
Quando anseio pelo instante de sair
E rodar exuberante
E me perder de ti
Te perdôo
Por quereres me ver
Aprendendo a mentir (te mentir, te mentir)

Te perdôo
Por contares minhas horas
Nas minhas demoras por aí
Te perdôo
Te perdôo porque choras
Quando eu choro de rir
Te perdôo
Por te trair


PS2: Claro que tive outros amores, outros grandes amigos. Mas talvez nenhum outro homem conheça minhas dores (e meus sabores) como ele. E o que faltava contar, agora ele sabe. Agora ele tem.

PS3: Ah, meus amigos de alma literária. Perdoem(!) esse texto, que nele são várias pessoas e tempos verbais diferentes. Eu sei. É que nessa história de tantos desencontros, é como se fossemos três ou quatro casais, em vidas e tons ímpares...

10 comentários:

MARILI disse...

Não precisa justificar em Pss a gente curte e entende aquilo que é escrito com a alma.

Alê Ferraz disse...

Ufa! Mil e DOIS perdões, contando esse da Marili... rsrsrsrsrs

TOTY disse...

Linda! Perdoa-me pela minha falta. Saudades daqui e de vc! Acho que cheguei no texto certo. E vc, certa como sempre, disse tudo tão lindamente que já até te perdoei...rs
Beijo!

Alê Ferraz disse...

Toty, querida... você está aqui, em todas palavras, vírgulas e reticências. Você é a madrinha da Dona Cafuza.

Tem perdão garantido, válido por uma eternidade.

Beijo!

Anônimo disse...

Curti!!!
Beijos, Wan

Anônimo disse...

Alê
Chegando de mansinho e tentando conhecer cada pecinho do perdão, mas, se eu, não a perdoo, deixo que faça mais deste belo texto que corri os olhos e vi muita vida vivendo de verdade todos os sentidos.
Beijão
Caio Lucas

Fellicita disse...

Atrasada porém presente é que já tinha lido mais não comentado rs Tem palavra que é viva mesmo agente pode sentir pode imaginar os momentos descritos por ti, os mil perdões que desejamos numa vida inteira de encontros e desencontros pq nada é conto de fadas, o importante e abrir o coração e relevar Viver os melhores momentos e escreva mais heim saudades Nega Fulô rs

Alê Ferraz disse...

Ah, que privilégio receber novos visitantes, tão ilustres: Wan e Caio Lucas, espero que voltem sempre.

Ká, minha querida... É isso mesmo, não é conto de fadas. Vida real, pé no chão, verdade nos olhos. E vc (e o Edy) fazem parte dessa minha verdade. Fazem parte desse mundo que agora eu ofereço a ELE, junto com todos os perdões.

É por isso que vale a pena. Então, além do meu carinho e admiração, recebam também o DELE, que já é fã de vcs também... Beijo enooooorme!

(Tá dando erro, não consigo postar com o meu login... Anônima e Cafuza!!! rsrsrsrsrs)

Anônimo disse...

Aqui dentro sentimentos confusos e como sempre complexos.

Queria eu poder perdoar assim. E a partir daí me libertar de tantos apegos, tantos sentimentos. Aqueles que já não pertencem mais.

Sempre haverá mais pedidos, mas, será algum que exprima a emoção, que seja de coração?

Perdoem-me por não conseguir assim perdoar...

Anônimo disse...

Como se ela soubesse e sentisse o que eu sinto... Tanto dela em mim, quantas histórias em comum, quanta verdade em tudo isso, se ela já não soubesse, diria que é mentira...
Obrigada por me emprestar !!!

Bruna Santos