(...)

(...)

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Licor de Cupuaçu

Com tudo, não consigo dormir. Nem prometo silenciar.
Sou o que arde. Queria era romper teus tímpanos (e teu bom senso) num sussurro.

Mostrar-te os dias que guardei em três acordes simples. Não que seja fácil me acompanhar, nem doce. Tenho na boca o azedume próprio dos cupuaçus e anseio beijos violentos. Suculentos, que posso oferecer-te o meu licor num bombom.

Mas, beba tudo. Venha todo, que o pouco não me comove.
O pouco, eu lamento (e devolvo).
Me deixa em brasa e me traga (sem tossir).
Inspira... respira. Me deixa inflar os teus pulmões e a tua alma.
Me traga. Me traga uma emoção.

________________________________________________
PS1: Toty... Dona Cafuza chegou em sua 13ª publicação. E poucos vão entender e sentir como vc, que é tanta alma e tanta poesia. Beijo, amiga! Obrigada!
PS2: Me traga uma emoção. Alguma que dignifique essa noite sem dormir.

2 comentários:

TOTY disse...

Linda...um brinde ao Dona Cafuza!!! Um brinde aos que (como nós) conseguem sentir e ser.
Abençoadas sejam as palavras...e nossos
corações que que vivem e contam histórias lindas ou nem tanto, mas não desistem de sentir.No mundo de hoje, onde somos números, bom demais sermos também palavras!!!Obrigada por me inspirar (e fazer suspirar) sempre com tanta coisa bonita...
Beijoooooooo

Alê disse...

Alê, não sei o que é mais sublime:
Seu sorriso honesto e lindo, que derrete montanhas de gelo, ou suas palavras tristes ou não que...
derretem montanhas de gelo.
Beijos linda amiga linda!